SEGUIDORES DO BLOG

Quer participar do blog
Como seguidor?

CLIQUE AQUI!

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Aromaterapia



Aromaterapia é a arte e a ciência de utilizar os óleos essenciais e os aromas das plantas como recurso terapêutico para as mais variadas doenças, desequilíbrios e problemas dos seres humanos.
Os aromas exercem uma influência sutil na mente e no corpo.

Há milhares de anos, os óleos das plantas vêm sendo utilizados em rituais e cerimônias religiosas, como medicamentos, unguentos,perfumes e cosméticos, destacando-se sua utilização pelos egípcios, antigos mestres da perfumaria, os gregos que também os utilizaram largamente como remédios e cosméticos aromáticos, e os indianos, através da medicina Ayurvédica..
Os óleos essenciais são compostos orgânicos voláteis das plantas, extraídos por destilação a vapor ou extração por solventes voláteis das folhas (alecrim), flores (camomila), cascas de frutas (limão), madeiras (cedro), raízes, etc.
Para se ter uma idéia da quantidade de plantas versus quantidade de essência produzida é muito grande, podendo serem necessários, por exemplo, mais de 1000 kg de pétalas de rosas para produzir 1 litro de óleo.

 Propriedades Terapêuticas

Nível de corpo físico, o poder de penetração e atuação dos óleos é muito grande, e muitas vezes sua ação varia de acordo com a dose prescrita.

Possuem atuações:
- Nível fisiológico: ação carminativa,antiespasmódica e digestiva, combatendo a prisão de ventre,diarréia, flatulência e má digestão.
- Nível de sistema cardiovascular, pode atuar como hipertensor, hipotensor, vasoconstrictor e antiespasmódico.
- Nível linfático, são poderosos antissépticos. rias.
No sistema respiratório, têm ação antisséptica, antiespasmódica e expectorante.
- Os óleos também agem no sistema urinário como diurético, na eliminação de cálculos renais e no tratamento de infecções e disfunções urinárias.
- Também são utilizados para tratamento de impotência e frigidez, doenças venéreas, etc. Os afrodisíacos mais notáveis são jasmim e ilangue-ilangue.
- Sua função endócrina envolve a estimulação de glândulas para a produção de hormônios e a atuação de alguns óleos como hormônios.
- Nível de sistema nervoso, poucos estudos criteriosos foram feitos a respeito, mas se conhece sua ação como estimulantes e sedativos, desenvolvendo a memória e o raciocínio, etc.
Aromas e Essências
Angélica – Polianthes tuberosa L.

Excelente tônico, estimulante e ajuda a fortalecer o sistema imune.
Alecrim – Rosmarinus officinalis
Possuí propriedades estimulante, ativador da memória e nervos, tônico cardíaco, hipertensor , hepático, antiséptico, antiespasmódico, analgésico e adstringente.
Bergamota – Citrus Bergamia
Possuí propriedades expectorante, digestiva, carminativa, vermífuga, antiespasmódica, analgésica e refrescante.
Camomila Amarela – Anthemis nobilis
É um excelente agente antinflamatório e analgésico, diurético, antiespasmódico, sedativo.
Cânfora – Cinnamomum camphora
Possuí aplicações como estimulante cardíaco, distúrbios respiratórios, febre, pneumonia, reumatismo, feridas, queimaduras, inflamações, acne, abscessos, contusões, pancadas, pés doloridos e pernas cansadas, antidepressivo e tranquilizante.
Cravo – Sygyzium Aromaticum
Utilizado como Analgésico, bactericida, fungos, ácaros, digestivo, dor de dente, anti-séptico bucal, repelente de insetos, estimulante da memória e afrodisíaco.
Canela – Cinnamomun Zeylanicum
Utilizado como Analgésico, bactericida, no combate a gripe, fadiga, cólicas e diarréias, também utilizado como estimulante sexual e para almentar a intuição.
Cedro – Juniperus virginiana
Essência de madeira utilizado como antiséptico, adstringente, expectorante, diurético e sedativo.
Capim Limão – Cymbopogon Citratus
Utilizado como bactericida, diurético, digestivo, acne, esgotamento mental, relaxante, repelente de insetos e no combate a cólicas.
Cânfora – Cinnamomum camphora
Utilizado como estimulante cardíaco, distúrbios respiratórios, febre, pneumonia, reumatismo, feridas, queimaduras, inflamações, acne, abscessos, contusões, pancadas, pés doloridos e pernas cansadas, como antidepressivo e tranquilizante.
Eucalipto – Eucaliptus globulus
Utilizado como antiséptico, desinfetante, cicatrizante, antitérmico, expectorante, analgésico, antiespasmódico, estimulante cardíaco, diurético, hipoglicêmico, excelente desinfetante e purificador do ar.
Gerânio – Pelargonium graveolens
Utilizado como estimulante, antidepressivo, antiséptico, analgésico, cicatrizante, sedativo, diurético, equilibrador hormonal.
Hissopo – Hyssopus officinalis
Possuí propriedades basicamente estimulantes: regulador da pressão arterial, expectorante, sedativo , tônico dos nervos, relaxante, laxante suave, vermífugo, antiespasmódico, antiséptico, cicatrizante e purificador do ar.
Hortelã-Pimenta – Mentha piperita
Utilizado como analgésico, sedativo, antitérmico, expectorante, antiséptico, antiespasmódico, antibacteriano, antinflamatório, digestivo, hepático.
Ilangue Ilangue – Cananga odorata
Utilizado como calmante, hipotensor, afrodisíaco, antiséptico.
Jasmim – Jasminum officinale
Possuí propriedades antidepressivas, relaxantes, afrodisíacas, antiespasmódicas.
Junipo – Juníperus communis
Possuí propriedades diurético, antitóxico, antiespasmódico, estomacal, sedativo, vermífugo.
Laranja – Citrus vulgaris auranticum
Utilizado como propriedades calmante e antiespasmódico.
Lavanda – Lavandula officinalis
Possuí propriedades tranquilizante, analgésico, regulador cardíaco, antiséptico, antiespasmódico, diurético, desintoxicante, desodorante, hipotensor.
Limão – Citrus limonum
Possuí propriedades antibactericida, antiséptico, fortalece os pulmões, estimulante digestivo, hipotensor, diurético.
Manjerona – Origanum marjorana
Possuí propriedades sedativo, antiespasmódico, estimulante digestivo, hipotensor, aquecedor.
Melissa – Melissa officinalis
Possuí propriedades tonificante, calmante, antidepressivo, tônico do coração, hipotensor, antiespasmódico, estimulante digestivo.
Pau-de-Rosas – Aniba rosea odora
Possuí propriedades tonificante, calmante, antibactericida, desodorante.
Rosa – Rosa damascena
Extraída das pétalas de flores, “Rainha dos óleos” possuí propriedades essencialmente femininas tais como antidepressivo, regulador menstrual, antiséptico, afrodisíaco, vasoconstrictor, tratamento de pele, antiespasmódico, laxante, sedativo.
Sândalo – Santalum album
Possuí propriedades expectorante, afrodisíaco, anti séptico, antiespasmódico, antinfeccioso, diurético, digestivo.
Tangerina – Citrus madurensis
Possuí propriedades calmante, estimulante digestivo e do apetite, analgésico, antiespasmódico.
Tea-Tree – Melaleuca alternifolia
Possuí propriedades antinfeccioso, anti séptico, antiviral, antifungal, cicatrizante.
Os Óleos Essenciais
Por milhares de anos, as culturas orientais queimaram ervas na forma de incenso, em rituais religiosos e espirituais. Os árabes foram os primeiros na técnica de destilação de óleos essenciais, método que se emprega até hoje com pequenas modificações. Na Alemanha do século 16, Jerome de Bruswick documentou 25 óleos essenciais com fins medicinais, também utilizados até os nossos dias. Mas a ciência da aromaterapia, praticada atualmente, surgiu em 1937 com os trabalhos do químico francês Renée Gattefosse – publicados em seu famoso livro Aromatherapie.
A aromaterapia, basicamente, procura transmitir ao “paciente” toda a energia concentrada nos óleos essenciais por meio de banhos, inalações, massagens, compressas, etc. A aromacologiapsicofisiológicos, mostra que o ser humano pode ser positivamente afetado ao ser exposto a certos cheiros. Afinal, nosso cérebro processa os impulsos enviados pelos sensores olfativos em áreas que cuidam das emoções, do aprendizado, do balanço hormonal, etc. E mais: devido às suas propriedades, alguns óleos essenciais podem contribuir com o tratamento de várias doenças, como aquelas do sistema digestivo, respiratório, circulatório, etc. Nesses casos, como a pele é bastante permeável aos óleos essenciais, as sessões de massagens são muito bem-vindas!
Grande parte do mercado de óleos essenciais se concentra nas indústrias alimentícias e de cosméticos. No entanto, com a comprovação dos benefícios a saúde de alguns óleos, constata-se um considerável aumento na prescrição de soluções que levam um ou uma combinação de óleos em suas formulações. Baseado no estudo das cargas elétricas e da polaridade das moléculas aromáticas, descobriu-se que alguns óleos possuem carga elétrica negativa (relaxante) enquanto outros possuem cargas elétricas positivas (estimulante). As moléculas negativas, de acordo com os trabalhos de Franchomme, são antiinflamatórias e antiespasmódicas – agindo como atenuadoras de problemas hepáticos, do sistema nervoso, do sistema gastrointestinal e outros. Já as moléculas positivas colaboram para o aumento do nível energético do organismo, por exemplo, sendo efetivas contra infecções virais, stress, atenuadoras dos efeitos do câncer e outros.
Óleos Essenciais e suas Propriedades Terapêuticas
Ação antibacteriana: as principais moléculas que possuem propriedades antimicrobianas comprovadas são o carvacrol (óleo essencial de tomilho, etc.), o timol (óleo essencial de tomilho, etc.) e o eugenol (óleo essencial de cravo, etc.) – todos do grupo dos fenóis. Logo após os fenóis, em ordem decrescente de funcionalidade, situam-se os alcoóis monoterpênicos, tais como o linalol (óleo essencial de manjericão, etc.), geraniol (óleo essencial de gerânio), terpineol, mentol (óleo essencial de menta) e outros, seguindo pelo grupo dos aldeídos, tais como o citral, geranial (óleo essencial de capim-limão, etc.), citronelal (óleo essencial de citronela, etc.), cuminal e outros.
Ação antifúngica: os mesmos grupos listados com a ação antibacteriana valem para o combate às infecções fúngicas, embora o tratamento para estes últimos seja mais demorado.
Ação antiviral: a sinergia entre alcoóis monoterpênicos com cineol (grupo dos óxidos) é muito eficiente no tratamento de patologias virais do trato respiratório. Outro grupo de moléculas cuja combinação traduz em maior eficácia contra vírus é o óxido de linalol + linalol, as cetonas, aldeídos e éteres. Cabe ressaltar que os agentes virais são, em geral, bastante suscetíveis a ação das moléculas aromáticas.
Ação antiparasitária: assim como os antibacterianos, o grupo dos fenóis exerce maior importância. Os alcoóis monoterpênicos, algumas moléculas do grupo das cetonas e óxidos também apresentam certas propriedades comprovadas como agentes antiparasitários.
Ação inseticida: é do conhecimento popular que a citronela é um importante agente inseticida. Na verdade, o componente por trás dessa qualidade é o citronelal, um aldeído presente tanto na citronela quanto no eucalipto citriodora, este último muito cultivado no Brasil. Outras moléculas em destaque são o eugenol e o aldeído cinâmico (presente na canela).
Ação anti inflamatória e anti-histamínica: as moléculas de carga negativa são os principais componentes desse grupo. O exemplo mais significativo é o camazuleno (faz parte do óleo essencial de camomila alemã, cultivada no sul do Brasil) e o alpha-bisabolol, em evidencia na candeia (árvore brasileira). Alguns aldeídos, tais como o citral, citronelal, cuminal e outras moléculas também apresentam propriedades imunomodulantes. Na classe dos anti-histamínicos são de particular relevância o camazuleno e o di-hidro-camazuleno.
Ação expectorante e mucolítica: alguns óleos essenciais vêm sendo utilizados há muito tempo pelas suas propriedades expectorantes. Óleos ricos em cineol, tais como o eucaliptus globulus, alecrim ou louro são três possibilidades bastante interessantes.
Ação antiespasmódica: dois grandes grupos apresentam atividade espasmódica: o grupo dos éteres e dos ésteres. O primeiro, de carga positiva, tem notável atividade espasmódica. O segundo grupo, de carga negativa, tem propriedades anti inflamatórias e anticonvulsivas.
Agentes antiarrítmicos: algumas moléculas do grupo dos ésteres também atuam como reguladores cardíacos. É o caso, por exemplo, dos ésteres contidos no óleo essencial de ylang-ylang.
Ação analgésica e anestésica: visto que a dor é o sintoma da doença e não a causa, diferentes tipos de óleos essenciais vão atuar de forma distinta, eliminando ou diminuindo a fonte do problema e atuando como neutralizadores. Por exemplo: o eugenol, um componente presente no óleo essencial de cravo, manjericão e outras plantas, é particularmente efetivo no combate a dores de origem dentária. O mentol, principal componente da menta, tem maior eficiência no tratamento de dores de cabeça. Várias outras moléculas ou óleos essenciais com ações globais sedativas vão ajudar a acalmar espasmos (camomila romana ou tangerina) ou atuar como fortes analgésicos (ylang-ylang).
Ação calmante: os aldeídos contidos nos óleos essenciais de plantas cítricas e da melissa são muito aplicados nesse sentido. Alguns estudos sinalizam atividades hipnóticas ao linalol, principal componente do pau-rosa ou de alguns quimiotipos do coentro ou manjericão.
Ação antitumoral: como já pregam diversos autores, não é possível esperar que o uso exclusivo de óleos essenciais possa ser uma alternativa ao tratamento oncológico. Porém, alguns óleos podem atuar de forma adjuvante, tais como os que possuem lactonas sesquiterpênicas – a camomila alemã, por exemplo, possui germacreno, substância que possui atividade citotóxica contra leucócitos mutantes.
Ação digestiva: as propriedades eupépticas ou carminativas de diversas moléculas aromáticas fazem com que elas ajam como estimulantes de apetite e facilitadores do processo digestivo. Assim o cuminal, presente no óleo essencial de cominho, e o anetol, integrante do óleo essencial de anis e de outras plantas, possuem propriedades carminativas. A mentona, a carvona e a verbenona têm propriedades colagogas e coleréticas que ativam a secreção biliar.
Diversas outras propriedades são referenciadas aos óleos essenciais, com maior ou menor ênfase, maior ou menor suporte na literatura científica. Mas é importante lembrar que ainda há muito a ser descoberto já que as aplicações médicas dos óleos essenciais com embasamento científico é uma tendência ainda recente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário